Tribunal de Justiça permite que Kaká Mendonça possa trabalhar e nega prisão domiciliar à presidiária - Pimenta Virtual

carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...
carregando...

carregando...
carregando...
carregando...

Tribunal de Justiça permite que Kaká Mendonça possa trabalhar e nega prisão domiciliar à presidiária

Publicada em : 09/08/17 12:14 - Atualizada em : 09/08/17 12:14

temp
temp

temp

Tribunal de Justiça permite que Kaká Mendonça possa trabalhar e nega prisão domiciliar à presidiária Ellen Ruth

Fonte: Rondoniagora.com

O desembargador Eurico Montenegro Júnior negou vários pedidos a ex-deputados estaduais condenados nos escândalos investigados pela Operação Dominó.

Ronilton (Capixaba) Rodrigues Reis, Ellen Ruth Catanhede Salles Rosa, João (da Muleta) Batista dos Santos e João Ricardo Gerolomo de (Kaká) Mendonça queriam que o Judiciário reconhece a prescrição (não execução) do crime de formação de quadrilha.

Ellen pediu mais: alegou razões humanitárias e disse que precisaria cuidar de sua mãe, que está doente, daí requereu prisão domiciliar.

Único que teve pleito atendido, Kaká vai poder sair para trabalhar daqui a um mês.

Na decisão, o desembargador Eurico negou de plano o pedido de prescrição da pretensão punitiva (o direito do Estado executar as prisões).

Isso porque desde o trânsito em julgado para a acusação, em 30 de junho de 2009 e as prisões em 7 de abril de 2016 (Ronilton Capixaba e João da Muleta) e 21 de abril deste ano para Ellen Ruth, não se passaram oito anos.


Com relação ao pedido da presidiária Ellen Ruth, que foi presa há pouco mais de três meses, o desembargador baseou-se nas informações do Ministério Público, demonstrando que familiares da mãe da ex-deputada, incluindo o filho e a nora, que são médicos já cuidam da doente há tempo, inclusive desde a época que ela estava foragida. “[…] No que se refere à sua genitora idosa, a requerente não é a única apta a lhe prestar auxílio médico,

existindo outros familiares que, inclusive, forneceram os devidos cuidados à referida senhora enquanto Ellen Ruth permaneceu foragida: conforme levantamento de campo realizado pelo setor operacional deste CAEX/GAECO quando da busca pelo paradeiro da demandante, constatou-se que a idosa em questão se encontra sob constante supervisão do filho e nora da demandante – Renan Cantanhede Salles Rosa e Joana Maia de Melo - , ambos médicos e residentes no mesmo condomínio de apartamentos da dita senhora, está na unidade 1102 e aqueles na 202, conforme se depreende do Relatório de Pesquisa – RELPESQ n. 153-G25 […]”.

Kaká na rua

O ex-deputado Kaká Mendonça foi o único que teve pedido atendido. Pediu progressão do regime prisional do fechado para o semiaberto, mas queria ir pra casa e trabalhar. O desembargador concedeu em parte, uma vez que tem comportamento.

“Quanto ao pedido de cumprimento em regime domiciliar, esse não pode ser atendido, pois conforme informações, a comarca de Pimenta Bueno conta com estabelecimento adequado para o cumprimento da pena em regime semiaberto, podendo após o prazo mínimo de 30 (trinta) dias, realizar trabalho externo (Enunciado 4 – Execução penal, aprovado no encontro de Juízes com Competência Penal do Estado de Rondônia).”

Fonte: Rondoniagora

Tribunal de Justiça permite que Kaká Mendonça possa trabalhar e nega prisão domiciliar à presidiária


Comentários:

Os comentários aqui escritos não expressam a opinião deste site. Sendo assim, o conteúdo é de total responsabilidade do autor do comentário. Denuncie

Compartilhe:



 SERVIÇOS

©Copyright 2010-2015 Pimenta Virtual

Clique aqui e conheça a nova linha de bicicletas Cairu

Despachante Moares descomplica sua vida! Clique e saiba mais

Você sabe que dia é a noite da Batata Recheada? - clique aqui e veja

Viveiro e Floricultura Viverde Conheça o nosso espaço